• Home
  • /
  • Sobre
  • /
  • Resenhas
  • /
  • Parceiros
  • /
  • Entrevistas
  • /
  • Desafio
  • /
  • Contato
  • [RESENHA] Quando a Bela Domou a Fera de Eloisa James

    Resenha por: Suelen Fernandes
    Título: Quando a Bela Domou a Fera
    Autor(a): Eloisa James
    Editora: Arqueiro
    Gênero: Romance de Época 
    Páginas: 320
    Ano: 2017
    Compre: Amazon
    Adicione: Skoob
    Nota
    Sinopse: Eleito um dos dez melhores romances de 2011 pelo Library Journal, "Quando a Bela domou a Fera" é uma releitura de um dos contos de fadas mais adorados de todos os tempos.
    Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
    Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.
    No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

    Linnet é uma mulher linda, com seu sorriso e seu charme arranca corações. Ela chamou a atenção até de um príncipe, mas por causa disso se envolveu em um escândalo. Sua reputação não é a das melhores e toda a sociedade acha que ela está grávida desse príncipe. Para tentar salvar a sua honra, seu pai e sua tia bolam um plano de tentar casa-la com o conde de Marchant, mas todos o conhecem pelo apelido de Fera e sabem que ele não é muito sociável.

    Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive recluso em seu castelo no País de Gales, ele é um dos melhores médicos da região. Todos sabem que ele não tem muitos sentimentos pelos pacientes, não tem tato para conversar e as vezes até os trata mal, mas na hora de tratar das suas doenças ele faz com todo afinco do mundo. Piers tem necrose no músculo de seu quadríceps direito e sofre de uma dor ininterrupta em sua perna e isso faz com que ele fique rabugento e intolerante as pessoas a sua volta.


    Linnet quando chega ao castelo não é recebida muito bem por Piers, ele odeia o seu pai e não aceita que ele tenha arrumado uma noiva. Mesmo Linnet sendo a mulher mais linda que ele já viu, Piers faz de tudo para mostrar que não quer casar com ela. Só que o que Piers não sabia era que Linnet tem a língua afiada tanto quanto ele e que ela não vai deixar barato as suas afrontas.

    – Acho que talvez você não tenha percebido que sua noiva entrou na sala.
    – Boa noite, noiva.
    – Belzebu – cumprimentou ela, inclinando a cabeça.

    Linnet vem de uma família bem desestruturada, sua mãe era casada com seu pai, mas sempre teve casos com outros homens. Ela explicou a Linnet a necessidade que tinha de ter paixão e emoção em sua vida e por isso precisava dos seus casos. Mas Linnet nunca entendeu o que era paixão e essa emoção de se relacionar com um homem, ela não queria ser igual a sua mãe e nunca havia sentido vontade de se envolver com um homem. Quando ela conhece Piers algo dentro dela desperta e ela começa a entender o que sua mãe falava sobre ter uma paixão ardente.

    O beijo dele não era uma adoração gentil. Era uma carícia selvagem, um beijo louco e apaixonado, tumultuado, roubado.

    A história começa já de forma intensa, vemos como a vida de Linnet muda de um dia para outro, como um vestido errado e um beijo pode transformar a vida dela em um caos. O pai de Linnet não dá muita bola para ela e até a compara com sua mãe, mas a todo momento ela é inocente e tenta explicar o que aconteceu. Sua tia e seu pai não dá atenção as suas explicações e a despacha sozinha para conhecer a Fera. Fiquei muita chateada com o pai e a tia de Linnet que a enxergavam como uma mercadoria e como uma devassa. Nunca quiseram ouvir a parte dela na história e quando descobrem que ela não está grávida a incentivam a aplicar um golpe no pai de Piers e nele mesmo.

    Piers nunca foi uma Fera para mim, não sei se é porque sou igualzinha a ele (rsrsrsrs), ele sempre mostrou e falou tudo o que pensa e foi sincero com os seus pacientes. Ele não gostava de mentiras e não via o porquê ficar prolongando uma notícia. Vi nele um homem que sofre e que não quer ter as pessoas do seu lado para ter pena dele, por isso se mantem recluso e faz o que mais gosta que é curar as pessoas, já que ele não pode curar a si mesmo.

    – O homem tem um temperamento péssimo. É um médico brilhante, ou ao menos é o que todos dizem, mas tem o temperamento de um demônio.

    A autora se inspirou no seriado Dr House para criar a personalidade de Piers e eu amei, amo o seriado e ler a história, principalmente as partes que o Piers aparecia era empolgante, pois parecia que estava vendo o House andando com sua bengala e falando de forma sarcástica com as pessoas.

    O final da história para mim foi a parte mais empolgante, fiquei com o coração na mão e torcia o tempo todo para que tudo resolvesse. Ver Piers lutando pelo seu amor e fazendo coisas que ele jamais sonharia em fazer foi lindo e fiquei emocionada. A autora soube levar o nosso coração ao estremo e fechou a história da forma mais linda que um leitor possa imaginar.

    Para sua total surpresa, ele sentiu um rugido subindo por sua garganta. Ciúme, diagnosticou. Juntamente com uma pitada nojenta de sensibilidade egoísta. Não a quero, mas também não quero que ninguém tenha meu novo brinquedinho radiante.

    A capa está linda e eu amei desde o momento que à vi na Convenção de Romance de Época que teve aqui no Rio de Janeiro, ela é meio aveludada e suas rosas se destacam. A diagramação é simples com os capítulos começando com a numeração e uma rosa. As folhas são amareladas e a fonte com um tamanho ótimo para leitura. A tradução estava maravilhosa e a revisão perfeita. A edição está excelente e mais uma vez a editora arrasou.


    1 comentários :

    1. Já estava louca para conhecer essa história e agora lendo a sua resenha tive a certeza de que não posso deixar mesmo de ler... Adorei a forma como vc escreveu e despertou ainda mais a minha curiosidade!

      ResponderExcluir

    Olá! Comente sobre o post acima :)
    Estou muito grata por você visitar o Era uma vez o... Livro
    Volte sempre! :D